Bate-papo e Feedback
1K Usuários online agora
1K Usuários online agora
Perguntas, ideias e feedback para a Comunidade: um espaço para assuntos não relacionados diretamente a AdWords, Analytics ou Google Meu Negócio. Para perguntas sobre produto, usar as comunidades
Guie-me
star_border
Responder

Você é um abridor de latas mutantes?

Mestre ✭

À luz da forma como o site foi definido desde os anos 90, não é muito difícil entender por que em 2013 os responsáveis pela construção de websites continuam a ver a plataforma da mesma maneira, como um "projeto".

 

Um projeto tem um começo e um fim. Há um momento em que o projeto é considerado "completo". Esta definição foge do que um site é, ou pelo menos deveria ser. Na paisagem digital em constante mudança, um site nunca é "feito" e “está pronto”.

 

Web designers e desenvolvedores em geral (salvo em alguns casos claro), perpetuam o site como um projeto. Para eles, o site é um produto que quantifica um finito, realização mensurável. Esta abordagem tem perpetuado a percepção do site como algo que nasce e morre, ao invés de ter uma vida a longo prazo, saudável e crescente.

 

O problema com este pensamento é que ele não condiz com a realidade. Em exemplo:

Para a marca, o site é uma despesa até o site entrar no ar. Então, e somente então, o site poderá ser considerado um ativo após a sua publicação. Enquanto a empresa está olhando para o website para fornecer resultados, os designers de sites, desenvolvedores, profissionais de SEO, etc. já se mudaram para o seu próximo “projeto”.

 

Digo isso por experiência própria e todos aqui já devem ter se deparado com essa situação: o cliente anunciante finaliza seu projeto de website e somente depois percebe que ao realizar uma campanha online seu “projeto” não foi pensado para receber as conversões desejadas: “mas ele é tão lindo você não acha? Gastei horrores nele...” então, sugerir otimizações é uma sentença de morte: ou ele te manda a mer%@! ou diz que você está maluco!

 

De uma vez por todas: site não é um projeto.

 

O Google oferece um produto de pesquisa para sites chamado Inquérito ao Consumo Google (na tradução livre) que pode ajudar a entender melhor o que estou tentando dizer nesse manifesto.

 

Ao meu ponto de vista o site não é uma comunicação enlatada, festa tecnológica, ou a expressão da criatividade do artista. Pode ser essas coisas, claro, mas deve ter em primeiro lugar a missão que a organização necessita e deseja.  De quem é a responsabilidade? Para mim a responsabilidade é da organização. Web designers, desenvolvedores e programadores estão demonstrando que preferem muito mais ser um fornecedor de enlatados ao invés de colaborarem com abridores de latas mutantes multi funcionais.

 

Acredito que cabe a nós, pessoas do front, profissionais que estão engajados nas metas e conversões dos seus clientes a tentar ao menos evangelizar que site é vivo e não um quadro de parede. Caso contrário vejo que nossos esforços terão que ser redobrados para o alcance das conversões cada vez mais disputadas.

 

 

 Créditos como base de pensamento e literatura: search engine watch (web)

Fazendo a Web Trabalhar para Você
Especialistas responderamverified_user
1 SOLUÇÃO ACEITA

Soluções aceitas
Marcado como Melhor Resposta.
Solução
Aceita pelo autor do tópico Joobas
Setembro 2015

Excelente manifesto Joobas. Na verdade eu me enquadro mai...

Principal Colaborador
Excelente manifesto Joobas. Na verdade eu me enquadro mais como "abridor de latas mutantes multi funcionais" (boa expressão que arranjouSmiley feliz) .

Na realidade temos que fazer muitas vezes também o papel de analista de usabilidade, confiabilidade, etc..do website, pois sem um site funcional e dinâmico fica muito dificil conseguir gerar ROI para o cliente.

Em relação à responsabilidades o caminho mais fácil é atribuir a quem desenvolveu, no entanto sabemos que no mercado existe de tudo, o cliente é que tem sempre a responsabilidade de se saber rodear de parceiros de negócio e não simplesmente de meros cumpridores de tarefas.
A minha resposta foi útil? Se sim, marque-a como a "Melhor resposta".
Nuno Mota
google + "Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo (Paul Pilzer)"

Google

Exibir solução no post original

Oi, Joobas!   Que legal seu texto!   Quando atendemos cli...

Gerente da Comunidade

Oi, Joobas!

 

Que legal seu texto!

 

Quando atendemos clientes aqui no Google, é muito comum sugerirmos aos anunciantes que melhorem seus websites, tanto por uma questão de usabilidade quanto como uma tentativa de melhora do índice de qualidade. É comum ouvirmos exatamente este comentário que você mencionou: "recém fiz meu site, gastei uma fortuna, vou ter que refazer tudo e gastar de novo?". 

 

Por isso, concordo com você quando você que a tarefa de construção de um website deve ser contínua. É isso mesmo: é um trabalho que exige dedicação progressiva, assim como o gerenciamento de campanhas do AdWords. 

 

Excelente texto o seu, Joobas. Smiley feliz

Marcado como Melhor Resposta.
Solução
Aceita pelo autor do tópico Joobas
Setembro 2015

Excelente manifesto Joobas. Na verdade eu me enquadro mai...

Principal Colaborador
Excelente manifesto Joobas. Na verdade eu me enquadro mais como "abridor de latas mutantes multi funcionais" (boa expressão que arranjouSmiley feliz) .

Na realidade temos que fazer muitas vezes também o papel de analista de usabilidade, confiabilidade, etc..do website, pois sem um site funcional e dinâmico fica muito dificil conseguir gerar ROI para o cliente.

Em relação à responsabilidades o caminho mais fácil é atribuir a quem desenvolveu, no entanto sabemos que no mercado existe de tudo, o cliente é que tem sempre a responsabilidade de se saber rodear de parceiros de negócio e não simplesmente de meros cumpridores de tarefas.
A minha resposta foi útil? Se sim, marque-a como a "Melhor resposta".
Nuno Mota
google + "Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo (Paul Pilzer)"

Google

Nuno, fecho com você. É triste atribuir a culpa ( se é qu...

Mestre ✭
Nuno, fecho com você. É triste atribuir a culpa ( se é que existe um culpado) para as empresas porém a experiência de "projetos desastrosos e sem sentido", deveriam calejar as organizações. Porém tenho visto muitas lamentações de clientes que investiram boas verbas nas campanhas e hoje estão desiludidos com a nossa ferramenta.

É preciso ficar com um olho no padre e o outro na missa: muitos analistas mesmo sabendo que o "projeto" não vai converter topam o desafio somente pela recompensa financeira esquecendo que está dando um tiro no próprio pé.

Fazendo a Web Trabalhar para Você